PT/EN
1

Exposição Busca de Si em Ti Mesmo

1987

#Foto

-Voltar

Esta exposição foi criada com diversos meios expressivos: acrílica sobre tela, aquarela sobre papel, textura com massa acrílica e desenhos.

No ano de 1986 eu fui premiada com "Menção Honrosa" no II Salão de Artes Plásticas de Chapecó e na abertura do Salão, conheci o artista catarinense e iugoslavo Silvio Pléticos. Construímos uma amizade e começamos a trocar visitas, telefonemas e cartas (na época, era dessa forma que se construia uma amizade). Pedi para Pléticos se ele poderia escrever um texto sobre minhas obras para esta exposição, o qual eu precisei resumir para que coubesse no corpo do convite da exposição. Com muito carinho e admiração por sua arte e escrita, Pléticos, segue abaixo o texto:

"Mesmo não conhecendo outros artistas de Xanxerê, posso dizer que com Magda Vicini, algo nas esferas plástica está acontecendo neste lugar.

É provável que ainda não exista ambiente artístico e, diante desta fato, é quase impossível um artistas poder lutar e continuar. Isto faz com que comumente nossos valores fujam para as grandes capitais. Magda resiste. Tira as energias da própria terra e do povo, dando especial atenção ao índio. O que vale é o entusiasmo no trabalho de Magda. Ela pesquisa os caminhos da contemporaneidade, sem contudo abandonar as raízes do passado.

Não pára de interpretar todos os elementos objetivos do lugar, e nisso, ela aspira a essência das coisas, e em especial modo, da figura. Esta é, às vezes, pretexto para soluções colorísticas, texturais. Salienta a dramaticidade nas posturas simples, quase sem movimento externo nos índios. Conserva equilíbrio nas cores, nos contrastes da luz, nas formas que, de quando em quando conflitam com conceitos de origem bem realística. Às vezes, o espaço ira mágico, partindo de uma pequena parte de figura, notando-se aí o ponto de partida do quadro. Porém, nunca parte da gratuidade dada pelo abstrato, mesmo que alguma obra dê a impressão.

Sente-se sinceridade, espontaneidade e muita autenticidade no que Magda faz. Ela está dando o seu recado e esse pode ser entendido como um rugido calmo, um protesto contra o desequilíbrio e a injustiça social, e, sobretudo, contra a liberdade de vida no seu sentido mais humano."

Sílvio Pleticos/1987